Quem sou eu

Minha foto

Numa busca interior, descobri em Cristo a unificação universal com o cosmo, assim como Jesus afirma ser ele e o pai um único ser(João 10.30), descobri que somos um tambem com o criador, alguns o chamam de "Arquiteto do universo", outros de "Mente criadora", eu prefiro chamar apenas de "Pai", pois o Genesis não diz que Deus parou para pensar no que ia fazer, e pelo que sei é isso que um arquiteto faz, ele pensa, planeja, calcula, mas Deus apenas disse e aconteceu como falou, creio no poder da palavra, e sei que mudanças poderosas podem ocorrer coforme o que você pronuncia, você pode ter uma vida de sucesso falando coisas boas ou uma vida penosa e sofredora falando palavras malditas, que tendemos a chamar de palavrões. Desejo poder iluminar sua vida com o que for postado nesse bloger, e que a paz do Senhor Jesus, que é a mais profunda a se desejar, superabunde em seu ser e dê o despertar cósmico de sua consciência que você tanto deseja

sexta-feira, 29 de março de 2013

O SIGNIFICADO DE PéSSACH OU PASCOA


“Páscoa, ou Péssach, conforme se chama em hebraico, é a principal festa doméstica na vida judaica. É a Festa da Liberdade, comemorativa da libertação de Israel da servidão egípcia.
Os rituais da Páscoa são, em grande parte, cerimônias do lar. Na véspera de se iniciar a comemoração, a casa é examinada dos alicerces até o sótão à procura de algum sinal de pão lêvedo ou de qualquer alimento que contenha fermento, e todos os traços de fermento são removidos. Por uma semana, matzot (pão ázimo), e panquecas e pudins feitos de ingredientes não-levedados, substituem no cardápio todas as formas de pão.
O ponto culminante da celebração da Páscoa consiste em servir-se o Seder, um banquete de família realizado na primeira e na segunda noites pascoais, com ritual complicado. A mesa é decorada com frutas e flores, a melhor louça, candelabros e outros indícios de festa. Para os quatro goles de vinho - símbolo da alegria - coloca-se uma taça ao lado de cada lugar.
A cerimônia consiste essencialmente em contar a história do Êxodo, utilizando vários símbolos para ilustrá-la e dramatizá-la. A criança mais nova sentada à mesa faz quatro perguntas ao pai(*). A história que o pai relata, lendo um livro chamado Hagadá, é a narrativa familiar da escravidão no Egito, a obstinada recusa do faraó em deixar os israelitas partirem, a corajosa chefia de Moisés e o milagre da redenção.
Cada um dos diversos componentes da refeição contém uma lição: o ovo cozido é símbolo da existência, a otimista afirmação de Israel da santidade da vida. É mergulhado em água salgada para se manifestar solidariedade com o destino amargo dos antepassados. Certa mistura de nozes e maçãs recorda à família a argamassa usada pelos hebreus escravos na construção de cidades para seus cruéis faraós.
Impõe o costume que se convidem hóspedes para a mesa familiar. Além dos amigos, um estudante que esteja longe do lar, um soldado ou um viajante afastado dos seus, serão bem-vindos.
Comemora-se a festa com um ofício especial na sinagoga: da Torá, lê-se uma vez mais a narrativa do Êxodo, e entoam-se os Halel, salmos de louvor.
Compreende-se que ao moderno Estado de Israel a festa de Péssach seja especialmente cara. Centenas de milhares de seus cidadãos reviveram a escravidão egípcia em campos de concentração e em asilos de deslocados. A nova Terra da Promissão, no próprio solo da antiga, é uma realidade que empresta pungência e júbilo à celebração israelense da Festa da Libertação.”
Esse texto foi extraído da coleção judaísmo, de Morris Kertizer, onde o autor narra o que é ser um judeu e explica cada uma das festas e cerimônias judaicas. Como se vê, é uma cerimônia muito linda, mas é só uma cerimônia, destinada ao povo judeu. Povo esse que ainda espero por um Messias, e que fica a cinco mil anos revivendo o único momento de milagres e libertação que teve, isso porque foi o único que querem aceitar.
Não quero contudo, contextar o povo judeu, pois não sou judeu nem especialista no assunto, mas sim o próprio povo pagão, que cisma de copiar os judeus em suas festas e costumes. Cada povo tem a sua cultura, e essa é deles, a nossa é outra, também baseada na liberdade e em milagres. O nosso libertador pagou um preço muito alto, o preço do sangue derramado na cruz em nosso lugar. Mas, ao terceiro dia ressuscitou, e isso é a nossa pascoa, pois se ele ressuscitou dentre os mortos e ascendeu aos céus com cerca de milhares de testemunhas, então cremos que com ele subiremos e com ele viveremos.
FELIZ PASCOA E QUE JESUS TE ABENÇOE